Carros elétricos de longo alcance poluem mais, segundo Mazda

Tempo de leitura: 2 minutos

Às vésperas do início das vendas do Mazda MX-30 na Europa, o anúncio da empresa chama atenção para um ponto polêmico, para dizer o mínimo. O MX-30, a exemplo de outros carros elétricos que estão sendo lançados na Europa, possui baterias menores, consideradas “um atraso” nos EUA.

O carro virá de fábrica com uma unidade de 35,5 quilowatts-hora, com a qual é possível rodar 240 quilômetros. Segundo Cristian Schultze, diretor de P&D da Mazda, a bateria com tamanho reduzido atende perfeitamente seus clientes e ainda é melhor para o meio ambiente, já que “uma bateria maior teria emissões de CO2 mais altas”.  A afirmação de Schultze, no entanto, vai contra o que indicam todos estudos comparativos já feitos.

Mazda MX-30
Mazda MX-30 (Reprodução: Mazda)

A bateria menor faz sentido dentro do contexto europeu. Segunda a empresa, menos de 40 quilômetros por dia é o quanto seus clientes urbanos e suburbanos na Europa dirigem, em média. Já para os que precisam de um veículo com maior alcance, “em uma segunda etapa, implantaremos um extensor de alcance”, diz a empresa.

Segundo o Conselho Internacional sobre Transporte Limpo, “as emissões mais altas de um veículo elétrico durante a fase de fabricação são pagas após apenas dois anos em comparação com a condução de um veículo convencional médio. Esse período cai para cerca de um ano e meio se o carro for carregado com energia renovável”.

Schultze fez um cálculo das emissões totais de CO2 para o MX-30 com uma bateria de 35,5 kWh como comparável ao compacto a diesel Mazda 3. No cálculo foram incluídas as emissões totais para o uso do veículo, com a produção e o descarte das baterias. A vantagem ainda estaria presente ao trocar a bateria após os primeiros 160 mil quilômetros rodados.

O MX-30, por enquanto, será comercializado apenas na Europa. Seu motor elétrico de 105 kW tem a potência de 143 cavalos e torque de 27 quilogramas-metros. O preço a ser comercializado é US$ 40 mil, que em reais gira em torno de mais que R$ 160 mil.

Fonte: Electrek

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *